Regeneração Cerebral É Uma Realidade

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

Você já alguma vez desejou regenerar as suas células cerebrais que tanto sacrificou na escola ou faculdade? Teme que seu cérebro em envelhecimento esteja num estado de declínio permanente? A ciência médica está a ser reescrita para mostrar que podemos melhorar a saúde do nosso cérebro e que reparar os danos cerebrais não só é possível, como é algo que qualquer um de nós pode fazer.

É um equívoco comum pensar-se que o cérebro não possa ser regenerado. Mesmo a comunidade médico cientifica acredita que, uma vez mortas as células cerebrais, já não há mais nada a fazer. O fato é que o cérebro pode regenerar-se e, como a ciência está provando agora, existe um benefício real para práticas simples que podem ajudar a manter nossos cérebros mais fortes, saudáveis e elásticos ao longo da nossa vida.

Reescrevendo a história da saúde cerebral

O campo da neuro-ciência cognitiva é relativamente novo – apenas cerca de cem anos de idade – por isso, não é nenhuma surpresa de estamos constantemente chegando a uma compreensão mais nova e melhor de como o circuito neural do cérebro humano suporta o funcionamento geral do mesmo.

Durante a maioria desses cem anos, acreditava-se que, uma vez danificado, o cérebro não podia se regenerar. As células do cérebro eram finitas, e qualquer perda ou lesão seria sofrida como uma deficiência para o resto da vida dessa pessoa. Isso criou uma falsa crença de que o cérebro está essencialmente em um estado de declínio perpétuo.

Embora a evidência convincente em contrário tenha sido apresentada já em 1960, o dogma médico foi (e é) lento para mudar. E só na década de 1980, quando a pesquisa de Fernando Nottebohm na Universidade Rockefeller indicava claramente que a neuro-génese – a produção de novas células nervosas, também conhecidas como neurónios – estava a ocorrer no cérebro dos vertebrados adultos.

O próximo grande passo nesta evolução científica levaria mais de trinta anos. No entanto, o ritmo de nossa compreensão de como o cérebro está ligado está prestes a dar um salto quântico.

Nosso Cérebro Elástico

O crescimento de novos neurónios em um adulto, num cérebro de mamífero foi visto pela primeira vez em 1992, quando os cientistas isolaram células-tronco neurais de ratos numa placa de Petri. Esta regeneração foi então replicada milhares de vezes em uma variedade de estudos publicados nos próximos vinte e cinco anos.

É agora aceite na comunidade científica médica que o cérebro adulto é capaz de desenvolver novos neurónios e células gliais ou gliócitos, algo anteriormente desacreditado pela comunidade médica. O cérebro é agora considerado resistente, flexível, dotado de plasticidade.

O termo neuro-plasticidade refere-se à habilidade do cérebro para se religar por meio da prática de uma habilidade desejada. É a combinação de novas células e novas aprendizagens que criam essa magia. Quando as novas células nervosas são bem estimuladas (ou seja, treinadas através de exercícios de aprendizado específicos), elas fazem novas conexões. Em outras palavras, eles tornam-se células cerebrais saudáveis ​​que contribuem para a aprendizagem e o desenvolvimento de novas habilidades.

Assim como os músculos do corpo, quando o cérebro é bem nutrido e estimulado através de um bom exercício, ele regenera-se e cresce. E com alimentação e cuidado adequados, essa regeneração cerebral surpreendente pode ocorrer ao longo da vida.

Para ajudar a tornar simples este processo, compilámos uma lista de maneiras de proteger a saúde do cérebro, estimular o crescimento de novas células cerebrais e até mesmo curar o cérebro.

  1. Obter muito exercício físico

Quando você ouve a frase “treinar seu cérebro”, você provavelmente não pensa em levantar pesos. Acontece que o exercício físico é uma das melhores coisas que você pode fazer para o seu corpo e seu cérebro.

Os benefícios cerebrais do exercício são duplos. Primeiro, o cérebro é um consumidor voraz de glicose e oxigénio, sem capacidade de armazenar o excesso para uso posterior. Um fornecimento contínuo desses nutrientes é necessário para manter um óptimo funcionamento.

O exercício físico aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro, proporcionando um aumento de oxigénio fresco e glicose para células cerebrais famintas. Um estudo de 2014 mostrou que apenas 30 minutos de cárdio moderado são suficientes para aumentar o funcionamento cognitivo em cérebros adultos de todas as idades.

Mas os benefícios não param por aí. Acredita-se que o exercício estimule a neuro-génese do hipocampo: crescimento de novas células na região do cérebro associado à memória de longo prazo e emoções. O crescimento de células saudáveis ​​nesta região é importante para o envelhecimento do cérebro e acredita-se que ajuda a prevenir o declínio cognitivo associado à doença de Alzheimer e à demência.

  1. Use técnicas de redução de stress

O nosso mundo moderno é dominado pelo stress, daí a necessidade de relaxar ser fácil de entender. O que você pode não estar ciente, é o quanto prejudicial pode ser para o seu cérebro a imersão contínua nas hormonas de stress de luta ou fuga.

O stress é um dos principais factores no declínio cognitivo relacionado à idade. Isso faz com que o nosso envolvimento em actividades regulares de lazer não seja apenas visto como uma coisa divertida para se fazer, mas antes, deve ser encarado como um passo importante para garantir uma saúde cerebral ideal.

Você não precisa de procurar longe para encontrar formas de reduzir o stress. Deixe os seus interesses guiá-lo. A chave para escolher passatempos cérebro-saudáveis ​​é evitar actividades passivas, como assistir TV e, em vez disso, escolher passatempos estimulantes que envolvem o cérebro através de padrões, quebra-cabeças e problemas.

Se Gostou Deste Artigo Compartilhe!

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone