Dr. Suzanne Humphries Questiona a Segurança das Vacinas

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone

Dr. Suzanne Humphries é uma especialista em rins e médica que começou a notar uma tendência preocupante em seus pacientes. Infelizmente, a grande maioria dos médicos convencionalmente treinados nem nota um potencial perigo para o público.

Um grande número dos seus pacientes estavam ficando doentes devido ás vacinas, causando nomeadamente, danos nos rins e insuficiência renal. Apesar de suas opiniões nunca serem exibidas nos noticiários “mainstream”, uma entrevista que lhe foi realizada, enquanto ela estava palestrando na Suécia, foi publicada no YouTube e está a começar a receber atenção muito necessária.

Médica fala sobre os perigos das vacinas e o que você precisa saber

Nesta entrevista, Dr. Humphries apresenta vários argumentos contra a eficácia das vacinas. Para começar, o processo de injeção expõe o corpo ao vírus de uma maneira muito diferente de como ocorre a maioria das infeções naturais.

Por exemplo, o sarampo é normalmente contraído através de inalação, o que resulta em uma resposta imune fundamentalmente diferente do que por injeção. As vacinas também contêm muito mais do que apenas o vírus; produtos químicos nocivos, tais como o alumínio, mercúrio, formaldeído e polissorbato 80 são também introduzidos na corrente sanguínea.

A evidência científica – contra as vacinas – continua a crescer

Dr. Humphries diz que ficou motivada a pesquisar as vacinas quando viu as pessoas próximas a ela ficarem lesadas por elas. Ela sente que a sua formação médica enganou-a e desinformou-a, e que muitos outros médicos são enganados e mal informados também.

Com base em sua pesquisa, Dr. Humphries não acredita que as vacinas aumentam a saúde da população ou a saúde humana em geral. Ela diz que há uma falta de evidência histórica de que uma vacina alguma vez erradicou realmente qualquer doença, apesar das declarações em contrário. Na verdade, em alguns casos, os dados mostram que as taxas de doença desceram assim que as vacinações a essa população cessaram.

Apesar dos grupos “pró-vacina” apontarem para estudos, Dr. Humphries diz que não há nenhum estudo que tenha visto que comprove definitivamente que as vacinas são seguras. Ela diz que tem mais razões científicas para acreditar que os componentes das vacinas podem comprometer o sistema imunológico e levar a problemas neurológicos e cancro.

Um aviso sobre a política de vacinação e a prática médica ocidental

Aqueles que são a favor da vacinação tendem a ser muito agressivos e fechados acerca de pontos de vista opostos e provas apresentadas, o que é sempre um sinal de alerta, uma espécie de “bandeira vermelha” comportamental. Eles usam táticas de medo, desinformação, ocultam informações que não lhes interessam serem divulgadas ou compartilham somente dados unilaterais tendenciosos sobre a segurança da vacina.

Mesmo a prestígiada Mayo Clinic defende a abordagem: “persuadir ao invés de informar” e de dissuadir os profissionais de saúde de deixar materiais impressos como folhetos com clientes, ou segui-los via e-mail.

Dr. Humphries defende que se deve encontrar formas naturais para cuidar do corpo e fortalecer o sistema imunológico como uma alternativa para as vacinas. Em última análise, cada pessoa deve ter uma escolha na matéria com base em uma apresentação direta dos fatos sobre a segurança das vacinas.

Dr. Suzanne Humphries, afirma, “Eu não acredito em vacinas. Eu não acredito nem um pouco em vacinas. Eu acredito que elas me podem fazer mais mal do que eu possa alguma vez ser capaz de compensar.” A grande média, tudo o que faz é censurar pontos de vista alternativos expressas neste relatório. Em última análise, temos de ser nós mesmos a educar-nos, e como sempre, tomar uma decisão informada.

Referências:
– www.youtube.com/watch?v=BpC0Tbb3diI&feature=youtu.be
– www.immunizeusa.org/media/29064/making_the_case_for_vaccines_mnaap.pdf
Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone