Antidepressivos na Depressão – Valerá a Pena?

De acordo com um estudo que está sendo referido como uma das comparações mais abrangentes sobre os antidepressivos comumente prescritos até agora, a maioria destas drogas são ineficazes e algumas podem até ser perigosas para crianças e adolescentes que sofrem de depressão grave.

O estudo, que foi publicado pela revista The Lancet, descobriu que dos 14 antidepressivos, o único que funcionou melhor do que um placebo foi a fluoxetina (Prozac). Ainda mais surpreendentemente, além de não ser eficaz, a droga venlafaxina (Effexor) foi associada a um risco aumentado de pensamentos e tentativas suicidas quando comparado com um placebo e cinco outros antidepressivos. Os outros 12 medicamentos analisados ​​incluem imipramina, nefazodona, paroxetina, citalopram, duloxetina, mirtazapina, sertralina, nortriptilina, escitalopram, despiramine, clomipramina e amitriptilina.

Os autores do estudo advertem que os verdadeiros níveis de eficácia e riscos não estão totalmente claros, porque muitos dos ensaios clínicos para avalia-los são mal concebidos, e alguns estão sujeitos a relatório selectivo.

O co-autor do estudo, o professor Peng Xie disse: “O balanço de riscos e benefícios de antidepressivos para o tratamento da depressão grave não parece oferecer uma vantagem clara em crianças e adolescentes, com, provavelmente, a única excepção da fluoxetina.” Ele recomenda que os jovens que tomam antidepressivos devem ser cuidadosamente monitorizados, especialmente nas fases iniciais do tratamento.

Estima-se que cerca de 3 por cento das crianças com idades entre 6 e 12 e 6 por cento dos adolescentes entre as idades de 13 e 18 anos sofrem de transtorno depressivo maior. Apesar da FDA emitir um aviso sério sobre o uso de antidepressivos em pessoas mais jovens do que 24, devido ao alto risco de pensamentos suicidas, o uso destas drogas aumentou no período de sete anos entre 2005 e 2012. A proporção de americanos mais jovens do que 19 que tomam os medicamentos nos EUA subiu de 1,3 por cento para 1,6 por cento.

O estudo foi conduzido pela Dra. Andrea Cipriani, da Universidade de Oxford. Os pesquisadores sistematicamente reavaliaram e analisaram ​​ensaios randomizados publicados e não publicados que compararam os efeitos dos 14 antidepressivos supracitados em jovens que sofrem de depressão maior. Eles classificaram as drogas em termos de eficácia, tolerabilidade, aceitabilidade e danos graves. Eles também foram responsáveis ​​pela qualidade dos estudos.

Mais da metade dos estudos dos antidepressivos são financiados pela indústria farmacêutica

Eles descobriram que 65 por cento dos ensaios obtiveram financiamento de empresas farmacêuticas. Quase 30 por cento dos ensaios foram classificados como tendo um alto risco de falta de imparcialidade, enquanto que quase 60 por cento tinham um risco moderado de falta de imparcialidade. Apenas 4 dos 34 estudos analisados ​​foram considerados como tendo um baixo risco de falta de imparcialidade.

A Universidade do Dr. Jon Jureidini de Adelaide questionou quantos mais eventos suicidas poderiam ter sido descobertos se os dados individuais dos pacientes tivessem sido disponibilizados.

Um dos medicamentos no estudo que foi encontrado por ser ineficaz, o citalopram (Celexa) foi recentemente atacado quando vários pesquisadores, médicos e psiquiatras pediram à Associação Psiquiátrica Americana para retratar um estudo questionável apontando seus benefícios em pessoas mais jovens, que foi na verdade escrito por escritores fantasmas que foram contratados pelo fabricante do medicamento, Forest Laboratories. Isso ressalta a necessidade de mais estudos independentes sobre o uso de antidepressivos.

Outros estudos, tais como um publicado na revista JAMA, em 2010, mostra que as drogas SSRI não funcionam melhor do que um placebo em pessoas que sofrem de depressão leve ou moderada.

Os tratamentos naturais podem ajudar com a depressão

Para os jovens que lutam com a depressão, poderia ser uma boa ideia tentar algumas formas naturais para superar. O exercício pode liberar endorfinas do bem-estar, e ficar ao ar livre também é um levantador do humor, então por que não combiná-los e praticar desporto lá fora? Outros jovens obtêm alívio a partir da meditação, ioga, arte-terapia, e aromaterapia. Com os riscos de antidepressivos sendo tão grandes e sua eficácia em sérias dúvidas, é decepcionante que eles continuem sendo prescritos em tais elevados números para os mais jovens.

Se Gostou Deste Artigo Compartilhe!

Marcações & Contactos

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0